Catedral de Norwich, 900 anos de história

(Com informações do site oficial da Catedral de Norwich e dados coletados durante a visita ao monumento e pitacos de Claudio Torres).
 
Fotos: Keila C. Guimarães

Há algumas semanas, fui visitar a Catedral de Norwich, um dos monumentos mais importantes da cidade. Foi, com certeza, uma das construções mais fantásticas que já vi. Além de belíssimo, o passeio foi muito interessante, porque a história da catedral se confunde com a história de Norwich e um pouco com a da própria Inglaterra.

O monumento começou a ser construído pelos normandos 30 anos após a invasão dos franceses, em 1.066. A catedral levou 79 anos para ser concluída, e suas paredes e arcos demonstram a impecável destreza dos que ali trabalharam. E, além de ser uma catedral, o monumento também foi um monastério beneditino. Porém, nos folhetos e no site da catedral, há pouca informação sobre o mosteiro em si.

Apontada nas resenhas como um dos mais grandiosos monumentos de sua época, a catedral também é tida como uma das mais completas e inalteradas construções normandas, e uma das maiores catedrais de toda a Europa. 

O monumento foi construído em forma de cruz. A grande importância arquitetônica da catedral hoje repousa na escala da construção romanesca original e na sua sobrevivência sem perdas até os dias atuais.    

O estilo estético romanesco, adotado principalmente pelos franceses (embora também tenha florescido na Alemanha e Itália), remonta à arquitetura romana e é conhecido pelo uso de arcos semicirculares em janelas e portas e, dentro das igrejas, pelo uso de corredores laterais com galerias sobrepostas e uma grande torre sobre a nave principal. Vale ressaltar que a torre da catedral de Norwich é a torre normanda mais alta da Inglaterra.   

Na catedral também podem ser encontrados vários elementos góticos, como na abóbada da nave principal, construídos entre 1454 e 1462.     

Abaixo, algumas informações que penso ser úteis para que vocês façam esse passeio comigo, coletadas durante o passeio e no site oficial da catedral (os monumentos aqui são muito bem cuidados – todos têm página na Internet, rs).      

Desde 1145, o arcos circulares e as pilastras continuam do mesmo modo, sem retoques.

 A nave   

É o ponto dedicado ao público quando assiste às cerimônias religiosas e o primeiro ponto visitado na catedral. Quando você entra e sente o ar gelado, inicia uma viagem no tempo: cada vitral tem uma história, cada pedra teve a mão de um homem para esculpi-la. A imponência da construção causa deslumbramento: quanta luz, que altura, que imponência. Pensei no poder que a arquitetura exercia sobre os discípulos naqueles tempos, gerando temor e devocao.  

Sobre a nave: a palavra nave veio do latim navis, e significa barco. A concepção da nave como um navio evoca a idéia de que o clero e os discípulos estão viajando juntos, em direção a Deus. (Achei muito linda essa concepção!)  

Os enfeites entalhados da abóbada elevada contam a história da criação humana, nossa redenção e os planos de Deus para a eternidade.  

 

 
Transepto

Após a nave, o altar, o púlpito e o coro, há os lados sul e norte do transepto. Trancepto, segundo o Michaellis, “é uma nave transversal que separa, numa igreja, o coro das outras naves, formando os braços de uma cruz, nos templos construídos no estilo das basílicas primitivas”. Falando assim, fica meio difícil de imaginar, mas, olhando no mapa e as fotos, talvez fique mais fácil de visualizar… Na catedral, os transeptos foram construídos para auxiliar a sustentar a grande pressão exercida pela torre, a mais alta de um prédio normando na Inglaterra.   

O claustro

Eu amei o claustro. Como foi dito, a catedral também foi um mosteiro beneditino e o claustro era um local muito importante para os padres. Senti-me em O nome da rosa, caminhando por um local secular. Imaginei, há 600 anos, quantos jovens seminaristas não se alegraram num dia de sol naquele mosteiro gelado, por quantas primaveras eles não ansiaram?    

O claustro era o ponto central do mosteiro. Os padres caminhavam por essa área coberta para alcançar as áreas-chave, importantes para a vida diária: a catedral, para o culto, o refeitório, para as refeições, a Hospedaria e o Parlatorio, para receber os convidados, a Casa Capitular, para encontros com a comunidade, e o Dormitório.     

Todavia, o claustro era mais que simplesmente uma via coberta para caminhar entre os prédios da catedral. Era também uma rota importante para procissões litúrgicas e um espaço para trabalho e estudo.   

Coro 

Os trabalhos da catedral foram desenvolvidos aqui por mais de 900 anos. Os assentos, de carvalho, foram feitos de modo que os padres pudessem mudar de posição e descansarem, já que eles faziam a mesma atividade litúrgica oito vezes ao dia. As elevações que permitiam esse descanso vieram a ser conhecidas como “misericórdia”, pelo conforto que permitiam aos padres.   

Trono do bispo      

Unicamente na Inglaterra, a Catedral mantém o trono do bispo na cabeceira da igreja onde ficam colocados o altar-mor e a cadeira episcopal, criando uma ligação com o desenho das basílicas romanas do século IV. Hoje, o moderno trono de madeira exposto na catedral possui apenas fragmentos de pedras do original.      

Labirinto e, ao fundo, a catedral.


Labirinto

No ponto central do jardim do claustro há o labirinto, usado como ferramenta para o “desenvolvimento espiritual”. Ele foi construído em 2002, para comemorar o jubileu da rainha Elizabeth II em seu reinado sobre a Inglaterra. Olha que bonita a descrição do site para Labirinto, um conhecido elemento mítico: “Um labirinto não é algo confuso. Há somente uma entrada, um caminho e nenhuma escolha, truque ou final fatal. Algo confuso é designado para fazer você perder o seu caminho. Um labirinto serve a um objetivo oposto: é designado para ajudar você a achar seu caminho. Encorajando você a caminhar sem pensar sobre qual o próximo passo, ele pode ajudar você a ser calmo, ajudar sua mente a escapar do alvoroço cotidiano e a relaxar”. Pensei comigo que esse labirinto tinha um casamento simbólico perfeito com a idéia da igreja católica: dê-me sua mente, coração e (por que não?) seus bens, que você poderá se libertar da agonia diária de encontrar seus próprios caminhos…      

Anyway, interpretações ideológicas à parte, o labirinto é lindo e os símbolos que ele carrega consigo também são muito interessantes.   

Abaixo, mais fotos dessa linda catedral.      

Bom passeio!

 

7 pensamentos sobre “Catedral de Norwich, 900 anos de história

  1. Que coisa bonita, que fotos maravilhosas! Muito obrigada, querida!

    Na minha opinião, labirinto é prá gente se perder mesmo… e viagens, muitas vezes, é prá gente se achar!

  2. Keila!!!
    Demorei um pouco, mas li seu post “religiosamente” hehe…
    Que linda essa Catedral! A arquitetura é realmente impressionante! E, interpretações ideológicas a parte, gostei muito do labirinto.
    Obrigada pelo tour!
    Beijos!!!

  3. Keila,

    Vc escreve muito bem, adoroooooooo ler tudo sobre sua viagem. Inglaterra é tudo de bom…. ai que saudadeeeeeeeee…vai nos PUB’s ai por mim!!!!!!!!!:)

    Saudade

    Bj,Pri

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s