Encontros e despedidas

“E assim, chegar e partir
São só dois lados
Da mesma viagem
O trem que chega 
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro 
É também de despedida
A plataforma dessa estação 
É
 a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida”

(M. Nascimento)

O verão começou. Com ele, novos estudantes vêm para a ICS Language e é sob sua brisa morna que muitos se vão.

Desde que me aportei aqui, conheci muitas pessoas. E vou me dando conta agora que todas irão embora mais cedo que eu. Porque eu cheguei depois de todas elas.

Primeiro, foi Cristina. Dizer “tchau” para ela não foi tão difícil, assim como não o foi para Silvia. Quando nos despedimos de Valentina, algo começou a mudar. Nossa sala não era mais a mesma sem ela.

Na última semana, foi a vez de despedirmos-nos de Ingrid. Quantas saudades ela e suas polêmicas posturas vão deixar! A adepta mais convicta do “achado-não-é-roubado” e para quem tudo que é novo é perigoso foi também a pessoa com quem criei mais empatia.

Com Ingrid de volta à Barcelona, o fantasma da solidão volta a me assombrar. Porque aqui a gente parece mesmo os tolinhos do Big Brother Brasil e suas frases feitas. Não raro nos vemos dizendo bordões como: “é tão difícil ficar longe de casa” ou “aqui, nos apegamos mais a cada um porque quem a gente ama está longe”.

Longe de tudo e de todos os signos que nos dão idéia de casa, vamos entendendo o verdadeiro significado do à flor da pele, dia-a-dia. Tudo emociona. Quase tudo é motivo para comemorar ou para achar que a morte chegou e não há mais saída.

Dia desses, quando fui me despedir de uma aluna que ficou aqui por duas semanas, esbocei um choro curto. Ela nem estava na minha sala. Nem o nome dela eu sabia. Mas, ela tinha um sorriso lindo, e era uma pessoa legal, com quem eu tinha criado um pequeno relacionamento, não mais do que dizer “oi”.

Na última semana, uma espanhola veio falar comigo. Eu não sabia seu nome também. Ela me contou como seu dia tinha sido difícil, já que tinha pensado sobre seu país, família, amigos. Ficou com os olhos úmidos. Deu-me um abraço, agradeceu por estar com ela. Busquei ouvi-la porque aqui somos todos carentes em potencial.

Em compensação, novos estudantes chegaram. É um exercício que a gente faz ao criar laços, desfazê-los e tentar construir novos. A vida nunca fica monótona. Passamos a viver as metáforas filosóficas, de que a vida é um rio, e a experimentar criações poéticas, de que a vida passa e não fica, nada deixa e nunca regressa.

12 pensamentos sobre “Encontros e despedidas

  1. Tô ouvindo vc cantando na voz de Maria Rita encontros e despedidas rsrsrsrs

    isso é como a própria vida, mas é necessário uma pessoa delicada como vc para ver a beleza poética nisso tudo.

    abração

    • Ai Keilitcha!!!!!
      Qtas saudades de vc e q apertanzinho senti em meu coração por essas despedidas!!!!
      Resumindo: qse morri de chorar…
      kkkk
      Mais eu sou assim msm
      Fica bem meu amor
      Saudades

    • Abraço triplooooooooo!

      O legal dos encontros e despedidas é perceber quem deixa marcas (as bonitas, por favor) nas nossas vidas. Cheer up, baby!😉

  2. O que torna um texto especial é seu poder de nos inserir em cena, vivenciando as emoções de quem o narra de forma leve e sintética, permitindo que o leitor o continue, em uma quase ‘co-autoria’, com suas próprias memórias e experiências.Há sempre uma explosão de beleza em meio ao cotidiano simples e verdadeiro. Parabéns por bem a captar e transmitir.

  3. Essas emoções, algumas com pitadas de metáforas e filosofia, são o resultado da sua caminhada pelo labirinto da Catedral. Cada vez mais perto do centro, num vai-e-vem, e encontrando as verdades do espírito. Um Caminho de Santiago condensado em uma linda cidade inglesa. Adorei o post.

  4. Minha filha linda, eu estou sempre com vc, a todo instante. Estou morrendo de saudades e mentalize aquele abraço gostoso que a gente sempre se deu.
    Beijos e abraços mil.
    Mamis.

  5. você me fez lembrar a primeira viagem que fiz sozinha aos 7 anos para a casa da minha avó na belgica. eu tinha muita saudade da minha mãe – a noite! e me divertia demais de dia com as novidades! o interessante é constatar que aos 7, aos 20 e poucos ou aos quase 70 sentimos sempre igual!

  6. Aaaaaai, eu tb fico com vontade de chorar quando se fala em despedidas! é justamente por isso que tenho tentado evitar esse assunto…
    abraço comintário entao com todo mundo!
    beijos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s