Summer loves

“Nessa noite o amor chegou
E chegou pra ficar
Tudo está em harmonia
Romance está no ar”

Foi, pois, assim que tudo começou: ele a viu e se apaixonou.

Ela, a versão anos 90 da musa de Caetano, uma tigresa de unhas negras e íris cor de mel. Ele, inglês, de Norwich.

Na primeira vez que se encontraram, Ela chegava do teatro onde tinha assistido Robinson Crusoé numa versão infantil. Falava comigo, falava com Almudena, com o bar inteiro, nunca com Ele.

Na segunda vez, Ela havia tomado dois pints em menos de uma hora, era só ansiedade, falava pelos cotovelos, exigia sua atenção integral. No final da noite, Ela não conseguia achar um táxi para casa. Ele lhe fez companhia. Esteve sentado com Ela por uma hora na avenida Prince of Wales, onde todo mundo vomita, briga e bebe, tudo ao mesmo tempo, todas as noites. Embora viva a 15 minutos da dita avenida, e tenha o próprio carro, não ousou se oferecer para levá-la para casa. Limitou-se a dizer que ela era “pretty”.

Na semana seguinte, trocaram telefones. Ele a levou para conhecer o castelo, a catedral e culminou com um passeio à noite ao cume donde se vê toda a cidade. Disse, dessa vez, que ela era “gorgeous”.

Naquele final-de-semana, Ele bebeu até ficar corajoso, esboçou ciúmes, reencontrou a ex-namorada em frente de todos, se esquivou de um beijo, explicou-se com Ela e já era hora de ir embora quando Ele passou a tocá-la ainda com mais regularidade nas costas, mãos, antebraço. Ela perdeu a paciência com tanta cerimônia e partiu para o ataque. Ele disse “stay with me tonight” sem cantarolar o “just remember…”, e Ela recusou. Ah, a (falta de) depilação, esse método contraceptivo universal.

Outros amores

Do outro lado da rua, na loja de Kebab Shop, trabalha um estudante, prestes a voltar para a Turquia. Lá, reencontrará a namorada, que o espera, virgem, para o casamento. Mas, no momento, é só tristeza em deixar aqui a garota russa que conheceu oito meses atrás.

Num dos apartamentos da Prince of Wales, um garoto árabe remoe o passado não vivido com Martina, que voltou para a Itália. Ele fala em relacionamento, mesmo que nunca tenham trocado mais que mensagens particulares no Facebook.

Enquanto isso, Almudena ensaia mais um capítulo de sua história amorosa com Neiphen, um historiador de Norwich, que fala baixinho e se limita a corresponder aos seus abraços.

Nessa nuvem rosa que paira sobre Norwich, vamos todos acompanhando os casos de amor, de dor, os flertes e acasos amorosos na vida de cada um. E ao acompanhar os casais improváveis que vão se formando e se desmanchando, como tem que ser, é como viver a emoção de cada um em busca do amor, aquela que a gente já viveu um dia e da qual é sempre bom relembrar.

O futuro de Ele e Ela é um mistério. Mas, de quem não é?

4 pensamentos sobre “Summer loves

  1. Que delícia de relato sobre os feromônios em Norwich, amiga! Impossível não lembrar de Can you feel the love tonight em Rei Leão. Clássico!❤

    Beijos suspirantes from Brazil.

    PS: "Ah, a (falta de) depilação, esse método contraceptivo universal". Como não, né? Método mais infalível EVER! haha

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s